A nova Ferroeste e o corredor de exportações do Paraná, que integram um dos maiores e mais ambiciosos projetos ferroviários do País, trarão economia logística de R$ 2,4 bilhões ao Paraná já no seu primeiro ano de atividades – no ano 60 de operacionalização da estrutura, a economia chegará a R$ 5,2 bilhões. A informação é do coordenador do Plano Ferroviário do Paraná, Luiz Fagundes, é foi dada na manhã desta quinta-feira, na Acic, durante reunião empresarial online transmitida pelos canais digitais da Associação Comercial e Industrial de Cascavel.

A economia estimada representa redução equivalente a 13 dólares por tonelada de grãos transportada por trem até o Porto de Paranaguá. E isso contribuirá para desencadear um círculo virtuoso na economia, com mais empregos, salários melhores e mais injeção de recursos nas regiões do Estado, observou Fagundes. “Cascavel terá o maior dos terminais de movimentação da ferrovia. Será o hub de Ferroeste”, segundo o coordenador, que deu detalhes sobre o corredor que ligará por malha férrea o Porto de Paranaguá e Maracaju, no interior do Mato Grosso do Sul. O trajeto será de quase 1,3 mil quilômetros.

O novo corredor terá influência indireta em 925 municípios do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, além do Paraguai e Argentina. Quanto à movimentação de cargas, Luiz Fagundes destacou que a previsão para a o primeiro ano é de 24 milhões de toneladas, chegando a 57 milhões no 60º. A área de influência direta da Ferrovia produz 54 milhões de toneladas e desses 34 milhões deverão ser transportados pela Ferroeste, ou 64%. Desse montante, 70% são movimentados pelo Porto de Paranaguá. “Esse trabalho todo conta com a colaboração dessas duas grandes estruturas – ferrovia e porto”, conforme Luiz.

Inversão
O grande corredor de exportações e importações do Paraná e a nova Ferroeste vão contribuir para a materialização de um fenômeno importante: a inversão da matriz de transportes do Estado. Hoje, menos de 20% segue ao porto por ferrovia e quando tudo estiver operacionalizando como esperado esse índice subirá para mais de 60%. Atualmente, 95% do traçado do novo corredor ferroviário, incluído ramal a Foz do Iguaçu e nova ligação entre Guarapuava e litoral, estão prontos. “Esse é um projeto de interesse nacional que contribuirá e muito com o desenvolvimento logístico e da economia brasileira”, ressalta Luiz Fagundes.

O presidente da Ferroeste, André Gonçalves, informou que a colaboração da sociedade e do setor produtivo tem sido indispensável para os avanços possíveis e também daqueles que virão. “Essa junção de interesses permite ajustes e correções que otimizam o projeto”, disse André. Lucio Lagemann representou a governo estadual do Mato Grosso do Sul.

“Os ganhos desse projeto são demonstrados em números. Na ponta, em Maracaju, a redução de custos será de 32%. Só assim, com ganhos logísticos o Brasil terá competitividade para rivalizar com os grandes produtos do mundo”, afirmou.
Os presidentes da Acic e Caciopar, Michel Lopes e Flávio Gotardo Furlan, disseram que a Ferroeste é um dos mais determinantes projetos estruturais do Oeste do Paraná. “E tudo o que tem sido feito contribuirá para o fortalecimento da economia e à sustentabilidade da região e de todos que terão relações diretas e indiretas com o novo corredor de importações e exportações em estruturação”. Furlan fez menção ao ex-presidente da Itaipu, Jorge Samek, ao apresentar uma frase inspirada sobre a ferrovia: “Ainda que os trilhos fossem de ouro, a Ferroeste seria viável”.

Crédito: Assessoria